Keren Kayemet LeIsrael - KKL Brasil


Artigo

Novo estudo culpa tempestades solares por encalhe em massa de baleias

Cientistas alemães suspeitam que radiação causada pelo fenômeno causou perturbações magnéticas, desviando grupo de 29 cachalotes para morrer em praias europeias no ano passado.

 

Por BBC 05/09/2017

 

Novo estudo culpa tempestades solares por encalhe em massa de baleias

Cachalotes encalharam em praias de diversos países do Atlântico Norte (Foto: Pixabay)

 

Tempestades solares, responsáveis pelo fenômeno conhecido como aurora boreal, podem ter sido responsáveis pelo encalhe de 29 cachalotes (um tipo de baleia) em praias do Atlântico Norte no ano passado.
É o que diz um estudo de cientistas da Universidade de Kiel, na Alemanha, para quem perturbações magnéticas podem ter interferido no senso de direção das baleias e desviado o grupo para águas rasas.

 

Todas as cachalotes morreram. Na autópsia, cientistas ficaram intrigados com o fato de que, em sua maioria, o organismo dos animais não exibia sinais de desnutrição ou doenças. E que os cetáceos eram jovens.

 

Por isso, muitas teorias sobre as possíveis causas do encalhe circularam pelo meio científico. Houve quem falasse em envenenamento ou mesmo em um acidente durante busca por alimento.

 

Cachalotes vivem em águas profundas e de temperatura quente para moderada. Muitos grupos vivem perto do arquipélago português de Açores. Quando atingem idade de 10 a 15 anos, porém, jovens machos migram para o norte, em direção à região polar, atraídos pela grande quantidade de lulas em águas mais frias.

 

A viagem normalmente passa pelas costas de países europeus. No entanto, em um espaço de apenas um mês, os animais apareceram em praias alemãs, holandesas, britânicas e francesas.

 

Questão magnética

Os cientistas da Universidade de Kiel dizem que a chave para entender o mistério é a possibilidade de as cachalotes navegarem com auxílio do campo magnético da Terra.

 

O campo não é uniforme e varia de intensidade em diferentes regiões, algo que as baleias aprenderam a “ler” da mesma forma que humanos veem contornos em mapas.

 

Mas a percepção pode ter sido alterada por grandes tempestades solares. Essas explosões de massa do sol emitem radiação e partículas que, ao atingir a atmosfera da Terra, produzem o fenômeno conhecido como aurora boreal.

 

Tempestades mais intensas podem até danificar satélites. E alguns cientistas dizem ter evidência de que a atividade solar pode ter impactos no senso de direção de pássaros e abelhas.

 

A equipe comandada por Klaus Vanselow estudou a conexão entre encalhes de baleias e duas grandes tempestades solares ocorridas em dezembro de 2015. Elas produziram espetáculos de luzes vistos não apenas em países mais ao norte, como a Noruega, mas até na Escócia.

 

No entanto, também causaram distúrbios temporários de até 460 km no campo magnético de uma área entre as Ilhas de Shetland, no extremo norte do Reino Unido, e a Noruega, afirma Vanselow.

 

Isso pode ter confundido as baleias transitando pela região. Até porque a equipe de cientistas de Kiel suspeita que cachalotes usem o campo magnético da costa da Noruega como orientação.

 

“A região da aurora boreal é a que mais tem distúrbios geomagnéticos na superfície da Terra”, explica Vanselow.

 

“Cachalotes são animais imensos e podem nadar no oceano por dias na direção errada por causa desse tipo de efeito, para só depois corrigir o curso. Mas se isso ocorre na área entre a Noruega e a Escócia, elas podem ficar presas (em águas mais rasas).”
Inexperientes

 

O cientista alemão acredita que, por ter crescido perto dos Açores, uma área com mínimo impacto de tempestades solares, as cachalotes têm pouca experiência com o tipo de evento que ocorre nos polos.

 

Apesar de a teoria ser difícil de provar, outros cientistas dizem que ela é plausível.

 

“É difícil dizermos que foi a causa definitiva (para os encalhes), mas pode ter sido uma das razões”, diz Abbo Van Neer, biólogo da Universidade da Alemanha que fez a autópsia das 16 baleias que apareceram na costa alemã.
A Nasa (agência espacial dos EUA), por exemplo, também tem feito estudos sobre o impacto de tempestades solares em cetáceos ao redor do mundo, e um grupo de cientistas ligados ao projeto publicará nas próximas semanas um estudo sobre encalhes na região de Cape Cod, na costa leste americana, e tempestades geomagnéticas.

 

“A teoria tem credibilidade, pois estamos falando de um potencial mecanismo que pode confundir os animais”, afirma Antti Pulkkinen, chefe do projeto da Nasa.

 

“Mas não acho que o estudo prova tudo. Nossa análise sugere que não há um único fator que contribua para isso (os encalhes)”.

Nenhum comentário

Seus comentários:


Deixe aqui o seu comentário!