Keren Kayemet LeIsrael - KKL Brasil


O que fazemos

Povoamento

Oásis no deserto

 

povoamento-(1)

 

 

Oferecer uma alternativa à região central do país, superpovoada e com alto custo de vida,  e servir de escolha para novos imigrantes são motivos que levam Israel a transformar  terras não produtivas do Deserto de Negev em cidades.

 

O deserto do Negev cobre 60% da área de Israel. Sua ocupação é um marco na história do país, principalmente para equilibrar a alta densidade populacional entre Tel Aviv e Jerusalém.

 

Em fase de edificação, a mais nova cidade a se instalar na região atende pelo nome de Carmit e deverá abrigar 2.650  famílias, ou cerca de 10 mil habitantes. Acessível por várias rodovias, está a 15 minutos de Beer Sheva e a menos de uma hora de Tel Aviv e Jerusalém.

 

O empreendimento é uma parceria entre o KKL e o Projeto OR, cuja missão é gerar mudanças estratégicas no Negev e na Galileia, assegurando o futuro de Israel pelo desenvolvimento destas áreas da nação.

 

A participação do KKL neste empreendimento é fundamental pelo pioneirismo que representa nas técnicas que detém o avanço do deserto, na construção de reservatórios de água e na fertilização de campos, bem como pela liderança nas ações de desenvolvimento sustentável, como reflorestamento e renovação de fontes de água.

 

Na região, já vivem 20 mil pessoas, devendo chegar a 600 mil até 2020, de acordo com estimativas da OR. E as razões para acreditar nesse número são muitas: o local será sede da base de inteligência das Forças de Defesa de Israel (IDF), em 2018, abrigará um grande parque industrial, que criará milhares de empregos, e será uma comunidade moderna, diversificada, com importante papel na redefinição da imagem da região Sul de Israel.

 

O primeiro bairro de Carmit possui 400 terrenos, nos quais 100 famílias já estão se instalando sob o monitoramento direto do Projeto OR. A cidade prevê uma grande variedade de opções de moradia e de instalações públicas/recreacionais.

 

A primeira fase dedica-se ao estabelecimento de prédios públicos, como a Sinagoga, concluída em março de 2012, um centro comunitário, jardim de infância e creche, além de um centro para jovens e outras edificações de uso coletivo.

 

A realocação de uma família para Negev ou Galileia se dá por meio do Centro para Desenvolvimento do Negev e da Galileia (CDNG), que assegura que os novos moradores usufruam do conhecimento da região, assistência e tenham acompanhamento para realizar o sonho de pioneirismo. Até hoje, já supervisionou 6 mil famílias, cerca de 26 mil pessoas, enquanto outras 15 mil passam pelo mesmo processo.

 

O CDNG também coleta e dissemina informações sobre cada aspecto da realocação, como opções para escolaridade, localização de moradia acessível, eventos culturais e mapeamento de opções de emprego.

 

 

Impulso imobiliário

 

povoamento-(2)

 

 

Dados revelam que nos últimos anos vêm aumentando o número de transações imobiliárias na região do Negev.

 

O crescimento populacional para o local é uma das prioridades do KKL, que pretende ver a região “aparecer” no mapa. Por conta disso, investe em infraestrutura, parques urbanos, agricultura, reservatórios de água, enfim, em tudo que possa torná-lo uma atraente alternativa de vida.

 

Especialistas apontam duas razões para o impulso imobiliário: aumento contínuo da migração que busca um padrão de vida elevado a um custo razoável; e identificação de um potencial econômico latente.

 

Carmit ainda está em construção, mas já é possível saber que 81% dos adultos da nova comunidade têm graduação avançada, alguns deles nos diversos campos da medicina. Cerca de um terço são engenheiros.

Nenhum comentário

Seus comentários:


Deixe aqui o seu comentário!